Setembro pode até ser amarelo, mas os outros meses são cinza…

“ É comum que, ainda hoje, a depressão não seja vista como uma doença, o que pode ter conseqüências graves. Os preconceitos e estigmas que costumam ser relacionados a transtornos psicológicos podem resultar, entre outros problemas, em tratamentos mal realizados (quando realizados) e recaídas. Um dos motivos dessa má interpretação é que, muitas vezes, o problema é confundido com tristeza ou preocupações passageiras.”
Suicídio não é a única maneira de desistir da vida. Milhares de pessoas desistem de viver todos os dias, quando sofrem uma grande desilusão ou quando perdem a capacidade de sonhar… E quando a pessoa perde o poder de sonhar, tudo parece se transformar em um imenso quadro em largas escalas de cinza. Pois até no preto e branco existe um contraste, duas tonalidades; e no cinza é apenas uma cor, que pode variar entre mais claros e mais escuros, contanto, todos da mesma cor.
Já li e ouvi muito se falando que a depressão é a doença do século XXI, e que mesmo sendo declarada como doença crônica ou seja, sem cura, muitas pessoas não a levam a sério. Ambas as partes; quem está fora e quem está dentro.
Muitos dos que estão dentro acham que é apenas uma “fase”… Uma “BAD” que já já passa, e esperando que passa tem sua energia sendo sugada mais e mais a cada dia sem perceber, e quando resolve se dar conta de que essa ‘tristeza’ já deveria ter passado, não tem mais forças para correr atrás de uma solução.
E quase toda a população que está de fora vê como uma ‘bobagem’…
“Imagina!! Isso não é nada!”
Porém o que muitos não entendem é que cada um tem seu próprio fardo a carregar, e cada um sabe o limite de peso que suporta levar. Uma das inúmeras ‘provas’ que a depressão afeta muito mais que o humor é um raio x feito em um cérebro saudável e um depressivo. A visão chega a ser assustadora! O cérebro saudável tem suas cores e a massa cinzenta é representada por uma imagem esbranquiçada, quase transparente enquanto o cérebro depressivo tem menos cores e a massa cinzenta é representada por uma imagem escura.
A depressão assim como toda doença crônica precisa de tratamento específico e contínuo. E quando não tratada corretamente pode ter resultados devastadores.
Aquela tristeza que a princípio parecia ser passageira, vai se enraizando e sugando toda a vontade de viver da pessoa. Sem motivos para sorrir a pessoa desiste de viver e se entrega, levando dia após dia uma espécia de sobrevivência.
Porém até o sofrimento tem o seu fardo e é chagado um certo momento que esse modo automático de sobrevivência que as pessoas levam fica insuportável. Sem expectativas de qualquer tipo de melhora as dores sentimentais se intensificam, e qualquer sentimento de tristeza parecer ser insuportável. Uma dor que pode ser sentida na pele, mas que está apenas na alma.
VIVER é sofrer”, escreveu Ryunosuke Akutagawa, escritor popular japonês no início do século 20, pouco antes de se suicidar. Mas ele prefaciou a declaração com as palavras: “É claro que não quero morrer, contudo . . . ”
Digamos que o suicídio é o último passo da depressão, pois é quando a pessoa não suporta mais sofrer. Porém nem sempre o suicídio é tido como um ato pensado em dar cabo da própria vida e sim como um momento de desespero que queremos apenas que toda aquela dor passe, é um momento de insanidade em que queremos apenas apagar, e quando acordarmos todo aquele pesadelo tenha acabado. E mais uma vez as pessoas de boa sanidade não entendem.
Certa vez perguntei ao meu psicólogo, qual a diferença de fato entre querer morrer e de tentar se matar. Talvez por ainda ser um estudante de psicologia, ele não soube me entregar uma resposta, ou talvez não haja… Sei que depois deste episódio, resolvi não tocar mais no assunto. Porém ao contrário do que muitos pensam, até mesmo quem sofre desses distúrbios, procurar ajuda não é sinal de fraqueza, e sim de força e resistência. De saber que algo não está certo e que dá pra mudar. Procurar ajuda em momentos como esse podem literalmente salvar vidas, afinal mais de 50% das pessoas que tentam o suicídio uma vez, tentam novamente, e grande parte obtém sucesso. Tentar o suicídio e não conseguir é mix amargante de sucesso e fracasso. De força por ter conseguido não ter ido até o fim do poço, de fraqueza por não ter tido coragem suficiente para terminar o que começou, e essas cicatrizes fincam na mente como aquele corte que cicatriza, mas está sempre ali a vista.
“A decisão de acabar com a própria vida depende muito da maneira de a pessoa encarar a situação”, diz Kay Redfield Jamison, professora de psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade Johns Hopkins. “A maioria das pessoas que tem uma mentalidade saudável não considera nenhum acontecimento tão devastador que justifique o suicídio.”
Porém não se engane! A depressão se manifesta de muitas maneiras, e não é porque aquela pessoa sempre alegre e sorridente, por dentro não está enfrentando uma batalha para expor que está tudo bem apenas para evitar assuntos e perguntas das quais nem ela mesmo sabe a resposta. Uma das faces da depressão é exatamente essa. A pessoa consegue criar uma incrível máscara ( e sustentá-la ) de pessoa feliz e realizada, mas vai pra cama toda noite com todos aquele demônios que ela se esforçou o dia inteiro para mantê-los longe. E como todo fardo que pesa, uma hora nos cansamos e cedemos.
Uma das causas da depressão são as alterações químicas no cérebro do indivíduo deprimido, principalmente com relação aos neurotransmissores ( serotonina, noradrenalina e, em menor proporção, dopamina ), substâncias que transmitem impulsos nervosos entre as células, além de fatores genéticos também estarem bastante ligados.
Porém não existe resposta automática sobre o por que cada pessoa resolve desistir de viver além dos problemas em comum como trabalho, financeiro e familiar.
E se você quer de alguma maneira ajudar, deixe a pessoa desabafar e aconselhe sempre a ida à um profissional. Porém NUNCA diga que o problema ‘é besteira’ que ‘não vale a pena’ ou que ‘logo passa’. Você provavelmente será incapaz de entender o turbilhão de sentimentos que se passa na cabeça dessa pessoa, e muitas vezes palavras positivas só cabem para deixar a pessoa ainda mais na pior, pois esta se sente incapaz até mesmo de ter pensamentos positivos.
E se você quiser ouvir um pouco mais sobre assunto, recomendo o Mamilos PodCast número 82.
Clica aqui para ouvir!!
Share

Comments HDM

Comentários

Gaby Vieira

Fotografia é minha profissão e minha paixão, para qualquer lugar que eu vá minha câmera sempre vai comigo. Amante do bom e velho rock 'n' roll e uma cerveja gelada na praça da esquina com as amigos e papos aleatórios, também sou viciada em filmes e seriados. E já fui a tia da merenda por quase 2 anos em uma escola. Experiência na qual nunca mais quero passar...