ARNOLD SCHWARZENEGGER de volta como Conan o bárbaro

 

Após o fracasso gritante do reboot de Conan, o Bárbaro, quando perguntado sobre quem encarnou melhor o personagem, a imagem do guerreiro Címério que me vem a cabeça, ainda é a do velho Scharza. Mesmo com uma dificuldade enorme para articular as palavras e puxando pelo "r" a todo momento do filme, a interpretação do austro-americano, ganha fácil da versão do havaiano Jason Momoa, que mesmo com repentino sucesso conseguido ao interpreta Khal Drogo em Game of Thrones, não conseguiu empolgar.

​O fato que chamou atenção esse mês, foi a volta das conversas entre Arnold Schwarzenegger e Chris Morgan (escritor e produtor de Velozes e Furiosos), segundo o próprio Morgan, fã de carteirinha de Conan, "seria uma honra, poder ter Arnold interpretando novamente Conan e em um filme escrito por mim". Isso mesmo amigos merendeirosChris Morgan e Andrea Berloff já escreveram o script de "A lenda de Conan", script esse lido e aprovado pelo velho Scharza, que disse sem nem pestanejar, que se sentiria honrado em voltar à interpretar o herói que veio dos quadrinhos e arrebatou milhares de fãs com "Conan, o Bárbaro" de 1982 e "Conan, o Destruidor" de 1984.

O roteiro traz o bárbaro vivendo como rei 30 anos após os fatos ocorridos em "Conan, o Destruidor", onde a lenda do rei Cimério é apenas passada de boca em boca, como se nunca tivesse sido real. Os detalhes do roteiro ainda não foram revelados mas pelo que parece, veremos Conan relembrando das grandes conquistas e aventuras de sua época  áurea de guerreiro.

O filme ainda não tem diretor e nem elenco, mas já mexe com o imaginário do fãs, exite um boato que talvez James Cameron (Avatar, Titanic), que já trabalhou com Arnold em "Exterminador do futuro I e II", venha a dirigir o filme, mas por enquanto tudo não passa de especulação. No mais só nos resta esperar para rever o velho brucutu encarnando o Cimério mais sanguinário do cinema.

Share

Comments HDM

Comentários

Andre Sousa

André Sousa, Cearense, 31 anos, pseudo intelectual de rede social, inteligentemente gaiato e consumidor moderado de drogas lícitas.

  • Francis Francis

    JOHN MILIUS.
    O 1º filme de 1982 até hoje é lembrado, pela trilha sonora de Basil Poledouris, e rende até filosoficos reviews de páginas.
    O segundo filme mesmo com Schwarzernneger foi uma VERGONHA.
    Esse com Jason Momoa, mesmo com computação grafica e produção de ambientes modernas foi um LIXO!

    E porquê????
    Simples…. porque é o Script que vai definir a qualidade do filme. E quem escreveu o original de 1982? John Milius. Ovelha negra em Holywood, nada preucupado com o politicamente correto. Ele trouxe para o Conan de Hobert Howard um inicio humilde como orfão de guerra que deixa de ser criança na arena de gladiador. Vira um animal que descobre um senso de valor pela violencia e os gritos de luxurua por sangue das multidões que o aclamam como heroi. É um animal obediente ao seu dono, um humilde animal que aos poucos vai redescobrindo sua humanidade quando seu dono lhe proporciona instrução na filososia na arte da guerra, letras e poesia e conhecimentos práticos para a sobrevivencia.
    Ele ainda é meio animal quando o sonho quase esquecido de liberdade lhe é dada.

    Dai ele começa sua jornada em busca da sua humanidade, por meio da disciplina do aço e a busca da vingança contra a serpente animalesca Thulsa Doom. Thulsa Doom apenas emana seu poder como um fenomeno natural irracional. Já o poder de Conan vem da ardua disciplina.
    Conan é um inocente num mundo de pervertidos brutos. Ele vai perdendo sua ingenuidade a cada batalha mas não sem cicatrizes, ele vai evoluindo e se sobrepõe por sua grande força fisica e mental, seu instinto de sobrevivencia. E ele continua humilde e simples no meio duma civilização corrompida com fachada de sofisticação.

    John Milius além de ter colocado uma pitada de filosofia de Nietsche, pegou elementos do filme Alexander Nevsky um filme russo antigo cuja trilha sonora foi feita por Sergei Prokofiev.
    Ele costurou a mitologia e sabe contar bem uma historia.
    Pela pena de John Milius Conan King: Crow of Iron seria o filme mais belo do tipo sem a violencia barata dos filmes de “ação” porem onde Conan retalharia corpos com o aço e como cabo da espada quebraria cranios enquanto subia numa pilha dos que ele matara numa batalha épica. Haveriam batalhas de exercitos, conan empunhariam o grande machado. Passaria antes por uma decadencia, neurótico e solitário numa sala do trono, ridiculamente vestido como rei vassalo de Aquilonia, sobre um reino problemático como o Iraque. Nesse momento John Milius colocaria um pouco do Rei Lear (de Shakespeare) no Conan. Sentado escrevendo cartas pedindo perdão para um filho que ele abandonara, tendo crises, paranóias, pesadelos, aprendendo a escrever poesias sobre suas experiencias, barrigudo e esquecido de seu espirito de guerreiro, decadente até sofrer um atentado mortal do qual ele sobrevive mas figurativamente morre. Resgatado por barbaros contra os quais lutou e não o reconhecem ele recupera sua perdida humildade, suas raizes barbaras, e para recuperar seu impressionante fisico começa a corta arvores e aprende coisas novas e pela 1ª vez com um ferreiro ele aprende a forjar a própria espada!
    Conan se torna o lider barbaro dum levanta contra o imperio de Aquilonia. Contra a civilização que o usou, corrompeu e o traiu. Pai e filho se encontrarão no campo de batalha.

    Essas são em parte as ideias John Milius para King Conan Crow of Iron que seria filmado próximo a 2005 pela Warner Bros. Mas a cretinice dos donos da industria fizeram se perder o filme mais épico e serio e denso que se faria para o Conan. Em vez disso sai o lixo sem história com falsa propaganda.

    John Milius estai ainda ai disposto a escrever para o Conan. Legend of Conan só será um filme digno e melhor até que o de 1982 se for John Milius a escreve-lo.

    • Andre Sousa

      Não tenho dúvidas de que será um bom filme, Scharza não vai precisar esconder o sotaque austríaco e nem terá de fazer cenas demasiadamente forçadas.