A Maldição da Mesmice

Sabe quando pouco importa a roupa com que você vai trabalhar? Quando tanto faz a cerveja que você bebe, desde que esteja gelada ou até mesmo quando pouco importa o tema do seu podcast preferido desde que saia no dia certo?

Pois bem, sinto muito em informar mas, você entrou no circulo vicioso da mesmice. Que, segundo o dicionário, significa:

1. “Repetição. Nada de novo. Sempre a mesma coisa e acaba enjoando. Monótono.”
2. “Mesmice é ficar sempre igual a uma mesma coisa. Não sair do lugar, não evoluir, não mudar, continuar sempre igual, sem inovação.”

Constatar que você caiu na mesmice é difícil porque quase sempre ela vem atrelada à preguiça e fica escondida na trincheira da zona de conforto. Às vezes, ou na maioria das vezes, ela até mesmo lhe priva de novas experiências, novas descobertas e, no caso de ouvintes de podcasts, te impedem de conhecer conteúdo novo e interessante. A mesmice é tão FDP que te faz pensar que certo conteúdo é ruim só pelo fato de ser diferente.

einstein

E como sair desse poço de chatice e repetitividade?

Bem, a resposta é curta e grossa: levanta essa bunda gorda do sofá e se permita viver novas experiências, respirar novos ares, ouvir novos casts (A hora da Merenda, de preferência 😀 ) e mudar sua visão de mundo. Difícil , demorado, cansativo? Então… ninguém disse que seria fácil mas, tenta lá, mude gradativamente e sem se preocupar com as consequências vindouras.

Comece ouvindo músicas novas sem sair do estilo que lhe agrada, dê um chance para as novas bandas e escute mesmo que a contragosto, a ideia aqui é só exercitar sua capacidade de aceitar o novo, sem se desprender 100% dos seus antigos gostos.

O mesmo se estende aos podcasts… Tente ouvir essa nova leva de casters, tem muita gente boa fazendo um conteúdo de qualidade e que só precisa que você saia da trincheira dos mainstreans.

Faça esse teste e conte aqui sobre sua experiência (até mesmo se você achou uma bosta esse post e vai fingir que nunca leu isso).

Share

Comments HDM

Comentários

Andre Sousa

André Sousa, Cearense, 31 anos, pseudo intelectual de rede social, inteligentemente gaiato e consumidor moderado de drogas lícitas.